Áudios

Ame ao menos seus filhos
Data: 18/01/2018
Créditos:
Título: Ame ao menos seus filhos
Autor: Oli Prestes
Voz: Oli Prestes
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

AME AO MENOS SEUS FILHOS
Há quem pense que se ama por cuidar da sua aparência, saúde, etc. Mas nem sempre esse cuidado com sigo mesmo significa que se ame. Pois é possível que isso faça para poder usufruir mais da sua vida vã. Se quem isso fizer não cumprir as regras do verdadeiro amor, do qual diz uma escritura que não busca seus próprios interesses nem se porta inconvenientemente, então o tal não está se amando, mas tão somente preservando momentaneamente o seu corpo e a sua carne e buscando melhor parecer. Vamos esclarecer.

Alguém pode fazer exercícios físicos, cuidar do seu cabelo, mãos, pés, rosto, para bem parecer, sendo, desse modo, preferido como profissional do sexo, como cortesã, etc. , para ganhar dinheiro, obter elogios, ter satisfação e satisfazer a quem lhe paga os honorários pelo serviço que prestar, inclusive em atividade profissional lícita do ponto de vista social. Ou também exercer atividade como “streap”, mesmo profissionalmente, alegando necessidade financeira. E com o ganho dessa atividade sustentar filhos e familiares que de si dependam.

  Quem isso fizer, ainda que possa aplicar o fruto da sua atividade para alimentar e educar filhos e tutelados, não o faz segundo as regras divinas, e os seus descendentes poderão sofrerão penalidades por isso, já que isso é tido como mal por Deus, o qual visita a maldade dos pais nos filhos. Ex. 20:5.

Outrossim, há quem, mesmo no exercício de atividade lícita, pratique ilícitos. É o caso de funcionários e servidores, como policiais, políticos, executivos, etc., que agem extrapolando o limite da sua competência, praticando extorsão e roubo, além de opressão, fraude e justiça própria como justiceiro, individualmente ou em grupo de extermínio, se colocando acima da lei que jurou defender e cumprir. Assim, se apropria de bens e valores públicos a si confiados, enriquecendo ilicitamente, e condenando à morte aqueles que dependem de recursos públicos, seja para se alimentar, como as crianças que precisam da merenda escolar, seja de pacientes que dependem do serviço público de saúde.

Mas esses que isso fazem também condenam a morte a seus filhos, os quais foram beneficiados com o fruto do ilícito. E ainda que não sofram isso imediatamente, sofrerão a morte eterna ou não serão havidos dignos de vida eterna.

Alguns que agiram contrário à lei tiveram a recompensa dos seus desatinos nesta vida aqui.

Por ocasião do sequestro e morte da jovem Eloá Pimentel, ocorrido na cidade de Santo André-SP, o seu genitor foi reconhecido como um integrante de um grupo de extermínio do Estado de Alagoas,  quando passou mal e foi socorrido pelo serviço de saúde que estava de prontidão no local. Segundo se noticiou na ocasião, ele era fugitivo da justiça daquele Estado. Também  foi apurado que ele havia adulterado o registro civil de nascimento da jovem alterando o nome dela. Suspeitou-se que para não ser encontrado.

Suspeito que muitas mulheres e crianças que foram e estão sendo violentadas no presente têm ou tiveram progenitores estupradores e pedófilos.

Se alguém não se ama, que ame ao menos seus filhos, mesmo que não os tenha ainda. Caso contrário poderá  ter dupla tristeza, ao vê-los sofrendo nesta vida e serem condenados à morte eterna. Mas se alguém não se ama, como pode amar a outrem?

Existe uma lei universal que diz: “Do modo como quereis que os homens vos façam, fazei aos homens”. Mt. 7:12.

Ninguém espere semear vento para colher bonança.

Porque os justos habitarão a terra, mas os ímpios e pecadores serão dela arrancados. Sl. 37:9, 20, 22, 29, 34 e 38.

Oli Prestes
Missionário
Enviado por oliprest em 16/04/2011

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr