Textos

Se fazendo de rogado
Por que muitos do povo de Deus vivem sofrendo e, embora peça a Deus a solução, Ele não lhes atende? Acaso Deus abandonou a terra e o seu povo? É o que parece para alguns. Outros pensam que Deus só faz quando ele quer e se ele quer. Será? Vejamos:

Pelos acontecimentos registrados nas sagradas escrituras, chegamos à conclusão de que Deus gosta que supliquemos a ele de modos a persuadi-lo de nos conceder algo ou fazer algo. Talvez por isso ele diz para Jeremias: “Clama a mim e responder-te-ei...”. Jr. 33:3. Quando o povo de Israel estava sofrendo sob o jugo do rei Faraó, o povo de Israel clamou a Ele o qual lhe enviou libertador.

Mas veja a condição: “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se desviar dos seus maus caminhos, então eu ouvirei do céu, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.” 2 Cr. 7:14.

Muitos têm problemas conjugais, com filhos, com irmãos, etc. e querem a solução desses problemas, mas não buscam por merecer. Não fazem os seus sacrifícios, não buscam pelas madrugadas, não põem o rosto no pó, não jejuam, então não pode obter.

Conheci um casal em Manaus, cuja esposa era um vaso usado por Deus com o dom de profecia e revelações, mas o esposo era viciado, traficante, e possuído por uma legião de demônios, mas ele foi liberto por um jejum de quarenta dias que ela fez em favor dele. E esse testemunho eu ouvi da boca dele mesmo, o qual me contou com riquezas de detalhes. Me contou que ele ganhava tanto dinheiro com droga que ele tinha preguiça de contar o dinheiro. Que quando ela saia para ir para o templo no qual congregava, o diabo o mandava quebrar  uma garrafa e colocar o gargalo enfiado em um vaso de planta que ficava logo na entrada da casa pelo lado de dentro, e o diabo dizia para ele que, quando ela chegasse, ele desse só uma com o gargalo no pescoço dela. Mas que, quando ela chegava, ele perdia as forças e não fazia o que o diabo mandava. Que ele bebia cachaça e comia o copo de vidro, e ele não sabia para onde o vidro ia. Que ele estava no rol de pessoas que deveriam ser mortas pela polícia, pois ela não podia com ele. Que no trigésimo quinto dia do jejum da esposa, que ele foi e urinou nela enquanto ela estava deitada na cama, ocasião em que ela quis desistir do jejum, mas continuou. Que quando ela terminou o jejum, ele pediu para ela passar uma camisa para ele, e disse: hoje eu vou aceitar o teu Jesus. E foi espontaneamente no templo e aceitou a Jesus. Ele era daqueles que via os demônios, os quais apareceram várias vezes para ele.

Então Deus se faz de rogado mesmo. É preciso fazer como ele manda: se arrepender, se humilhar, se converter, buscá-lo de todo coração, fazer votos e pagá-los. Tudo isso faz parte da busca e petição.

Quando uma filha minha saiu rebeldemente da minha companhia, eu fiz um sacrifício de três dias por ela, sem comer e sem beber, e entreguei na mão do Pai. E, passado o tempo devido, ela voltou espontaneamente, tendo primeiro se reconciliado com a igreja a qual ela pertencia, e recebido os dons que ela havia perdido.

Então eu não falo sem experiência.

Todos que iam a Jesus, clamavam, se prostravam, adoravam.

Mas o que alguns querem é que o pastor, o obreiro, o missionário faça o sacrifício que é para o próprio fazer. O que foi meu genitor dizia que “o dono do defunto pega na alça do caixão do lado da cabeça, que é o lado mais pesado”.

Então faça por merecer e faça como tem que ser feito.

Oli Prestes
Missionário


oliprest
Enviado por oliprest em 04/02/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Áudios Relacionados:


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr