Textos

Glória a Deus nas alturas, e paz na terra
Jesus é nomeado de “o príncipe da paz”. Apesar disso, quando ele aqui esteve convivendo entre os humanos, e principalmente com os que se tinham como seu povo, os judeus da palestina, ele disse que ele não veio trazer paz à terra, mas espada, e colocar em dissensão os membros das famílias. Como entender isso? Vejamos:

Já falamos um pouco sobre o tema no trabalho que intitulamos “O caminho da paz”. Mas vamos enfatiza-la em outro aspecto.

Na mensagem dada aos pastores que apascentavam os seus rebanhos, quando foi trazida a nova do nascimento do salvador Jesus, foi dito por um anjo, que lhes trazia novas de grande alegria. A seguir apareceu junto ao anjo uma multidão do exército celestial, louvando a Deus e dizendo: “Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens boa vontade.” Lc. 2:8-14.

Observemos que a paz desejada pela corte celestial foi direcionada “aos homens de boa vontade”. Por quê? Não era possível estender esse desejo a todos os homens? Não. Porque nem todos tem boa vontade para ter paz. Aliás, o Espírito Santo revelou pelo apóstolo Paulo que, entre outras coisas, os homens seriam irreconciliáveis. Como assim? Disse Jesus, “Se o teu irmão pecar contra ti, e vier a ti dizendo: arrependo-me, perdoa-lhe”. Lc. 17:3. Mas, pode acontecer de o irmão que se considerou ofendido não querer perdoar. Nesse caso este estará na seguinte condição: “Mas, se vós não perdoardes, também vosso Pai, que está no céu, não vos perdoará as vossas ofensas”. Mc. 11:26. E nem a oferta do ofendido não perdoador será aceita, veja: “Portanto, se estiveres apresentando a tua oferta no altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e ai conciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta. Concilia-te depressa com o teu adversário enquanto estás a caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz e o juiz te entregue ao guarda, e sejas lançado na prisão.” Mt. 5:23 a 25.

Então o perdão é condicional, pois, como eu já falei no texto que escrevi e intitulei de “Perdão incondicional, nunca”, nem Deus perdoa incondicionalmente.

Entendo que esse é um dos motivos porquê existem as guerras, porque além de se esgotar a possibilidade de diálogo, não existe boa vontade para isso.

Entre as famílias de hoje existe muito conflito devido as pessoas não perdoarem, não renunciarem o seu eu, não condescenderem, não se humilharem, mesmo quando uma das partes se esforça para alcançar paz, se apaziguando com a outra parte.

Mas o problema fica com o que não perdoa. Ninguém pode obrigar o outro a perdoar, mas o que pede perdão fica isento de culpa. Pois, os humilhados serão exaltados.

Portanto, buscai paz com todos, e amai-vos uns aos outros, porque o amor é de Deus, e quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.

Oli Prestes
Missionário
oliprest
Enviado por oliprest em 07/02/2018
Alterado em 07/02/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oli de Siqueira Prestes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Áudios Relacionados:


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr